Vinhos tintos: amigos ou inimigos?

Pareceres autorizados e científicos reconhecem: o vinho tinto faz bem à saúde. Por que essa confissão é tão culpada? Porque o vinho é um verdadeiro paradoxo, não só nos efeitos do seu consumo, mas já quando é feito.

Como vimos, entre todos os componentes benéficos dos vinhos tintos existe um intruso: o álcool. Mas é precisamente porque o vinho é alcoólico que tem todas as suas virtudes! Durante o fermentação depois maturação e vinificação , os açúcares se transformam em moléculas de etanol, enquanto a pele e as sementes geram moléculas de polifenol, incluindo o famoso resveratrol. Lembremos de passagem que o vinho tinto é aquele com o maior teor de polifenóis com um bônus para vinhos cultivados organicamente (em média duas vezes mais resveratrol do que vinhos convencionais).

Para os anti-alcoólicos convictos, saiba que os polifenóis são encontrados em outros alimentos.
Pode, diariamente, substituir os dois copos de vinho tinto à sua escolha: 100 g de chocolate preto, 200 g de morangos, quinze chávenas de café, alguns litros de chá verde ou ... dez litros de sumo de uva !

Mas voltando ao vinho. Baixo teor alcoólico, é acima de tudo um alimento e consumido como tal, durante as refeições, libera todos os seus benefícios.

Este é outro paradoxo do vinho. O seu consumo está ligado à celebração e ao prazer, o que aumenta as suas qualidades na dimensão psicossocial: prevenção da depressão e outros transtornos de ansiedade, fortalecimento da solidariedade familiar e coletiva.

Então, amigo ou inimigo?

A comunidade científica está dividida, ciente de que conseguir sintetizar o resveratrol em cápsulas nunca o tornará um medicamento tão poderoso ou tão fácil de administrar quanto uma taça de vinho tinto com amigos.

O debate está no limiar: quantas taças de vinho tinto recomendar / autorizar? Continua… Hoje estamos falando (com pinças enormes) de um a três copos de 10 cl por dia. Nada para rolar para debaixo da mesa!

Os americanos agora permitem que os rótulos dos vinhos mencionem benefícios à saúde. China e Japão, embora pouco ou nada preocupados como produtores, estão seguindo essa tendência.

Na França, há dois mil anos, beber vinho faz parte do ato cultural e fortalece os laços sociais: temos a terra em nossos genes. É improvável que reconhecer os benefícios do vinho tinto gere espontaneamente uma população de alcoólatras.

Portanto, lembremos que segundo Pasteur “o vinho é a bebida mais saudável e higiênica” e que na terra do Brillat-Savarin “a gula é inimiga do excesso”, consumir por qualquer motivo um produto bem francês e cheio de benefícios: vinho tinto. E, melhor ainda, o nosso bom vinho tinto provençal!

Mais de Revista Perspectivas

Colchões de bolso para alívio da dor

A fabricação do colchão também se beneficia do desenvolvimento tecnológico. Sobre o...
consulte Mais informação